Pesquisar

Entenda o fenômeno da supercompensação

Hipertrofia, aumento de força e resistência são resultados do fenômeno da supercompensação. Conheça suas 4 fases e como aplicá-las em seu treinamento.


PUBLICIDADE

Dentro do treinamento físico muitas dúvidas sempre foram bastante recorrentes. Muitos estudiosos buscavam entender como ocorriam os processos que acabavam por melhorar não só questões fisiológicas e corporais, mas também o desempenho. Buscavam entender o por que o treinamento produzia tais resultados e como tirar o melhor proveito do treinamento para que isso ocorresse. Pois bem, uma das explicações que mais é aceita e que tem mais respaldo científico é a do fenômeno da supercompensação.

Nosso corpo se mantém em um estado conhecido como homeostase, onde está equilibrado e mantém uma estabilidade de mecanismos fisiológicos e metabólicos. Qualquer alteração faz com que esta homeostase seja quebrada. Temperatura, alimentação, ambiente, stress, emoções e exercício físico são alguns dos fatores que mais influenciam na quebra da homeostase. Essa quebra pode parecer algo ruim, mas é extremamente importante para nossa sobrevivência e para que sejamos mais resistentes. É muito importante também que esta homeostase seja quebrada para que o corpo melhore suas funções fisiológicas e metabólicas, tornando-as mais eficientes.

Pois bem, quando executamos um exercício físico esta homeostase é quebrada e diversas reações ocorrem em nosso organismo, como elevação da PA, uso maior das reservas energéticas, elevação dos batimentos cardíacos e consequentemente da circulação. Resumindo, o exercício físico é um agente estressor dentro de nosso metabolismo.

Hipertrofia e aumento de força através da supercompensação

Quando nos exercitamos acima dos níveis que o corpo está adaptado, causamos diversos “agressões” ao organismo, como micro lesões musculares, quebra das reservas de energia e outros fatores. O corpo, no pós exercício então, busca repor e consertar o que o exercício causou. Mas o corpo, numa atitude para manter sua sobrevivência não apenas repõe o que foi perdido e depletado, mas aumenta os níveis que tínhamos antes do exercício. Essa é uma atitude de precaução do corpo, que muito provavelmente é um resquício da época das cavernas, onde a principal tarefa era manter a vida sob os agentes que a colocavam em risco.

De maneira bastante simplificada, é assim que ocorre o fenômeno da supercompensação e é dessa forma que o treinamento constante consegue aumentar os níveis fisiológicos e metabólicos, além de promover uma resistência cada vez maior. Aplicando isso ao treinamento físico, podemos afirmar que de maneira simplória, é dessa forma que temos a hipertrofia, aumento da força e da resistência e todos os outros componentes.

Parece simples não é? Basta impor um estímulo mais elevado que teremos bons resultados não é? Pois bem, não é tão simples quanto parece. Fatores como dieta, descanso e outros tem participação direta neste processo. Além do mais, o controle para se aumentar os níveis nem sempre é fácil. A supercompensação se divide em 4 fases:

Fase 1: logo após aplicação do exercício, é quando o organismo experimenta a fadiga;

Fase 2: a recuperação ocorre acima do nível normal das reservas energéticas anteriores ;

Fase 3: recuperação completa, ocorre a supercompensação;

Fase 4: período ótimo para um novo estímulo, que caso não ocorra ocorrerá a chamada involução.

Assim, se um novo estímulo não for realizado durante a fase 4, ao invés de termos uma evolução, acabaremos tendo uma involução. Além disso, se este novo estímulo for feito durante a fase 2 ou 3, também não teremos de fato uma evolução, pois o corpo ainda não esta completamente recuperado.

Aplicar e entender o fenômeno da supercompensação é fundamental para que os resultados sejam satisfatórios, independente dos objetivos e do que a pessoa for praticar. Com isso fica evidenciado o quanto o treinamento físico tem relação com os períodos de descanso e que estes não podem de maneira alguma serem negligenciados durante o treinamento.

Entenda o fenômeno da supercompensação
5 (100%) 1 vote

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online. CREF: 22643-G/SC

4
Deixe um comentário

avatar
2 Tópicos de comentários
2 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais em alta
4 Autores de comentários
MarcosTreino MestreandreMariana Alves Autores de comentários recentes
  Inscrever-se  
Mais recente Mais antigo Mais votado
Notificação de
andre
Visitante
andre

bom dia!
Qual seria o tempo ideal para um novo estímulo ?

Equipe Treino Mestre
Admin

Vai depender muito da intensidade que esse músculo recebeu durante o treino…mas no mínimo 48 horas.

Marcos
Visitante
Marcos

Criar uma periodicidade de treino com o tempo de recuperação mais curto poderia acelerar este processo? Exemplo: treina bíceps todos os dias.

Mariana Alves
Visitante
Mariana Alves

Textos muito bem desenvolvidos !! adorei