fbpx
Pesquisar

Gostar do exercício que você pratica, pode influenciar na aderência à dieta

Há fortes evidências de que o controle alimentar, a dieta equilibrada, tem uma relação direta com o fato de se gostar ou não do exercício que está sendo praticado. Veja mais neste artigo!

gostar da atividade que pratica, pode te ajudar a ter sucesso na dieta

Comer bem, treinar de forma adequada e ainda dar conta de todas as demais tarefas de sua vida, pode parecer muito difícil.

Mas há uma relação entre gostar do exercício que você pratica e suas escolhas alimentares, o que pode tornar esta rotina mais fácil.

Existe uma relação direta entre as modificações que o exercício provoca em seu corpo e a aderência a uma estratégia alimentar.

Aliás, este é um tema bastante complexo e exige diferentes abordagens. Há evidências, por exemplo, que a aderência à dieta está também ligada a fatores neurobiológicos.

Aderência à dieta está ligada a diferentes fatores

Um dos maiores problemas, apontado tanto por profissionais, quanto por pacientes, é a supercompensação dietética.

É a velha máxima de permitir-se uma recompensa alimentar, após treinar.

Com certeza, você conhece alguém que treina e se “permite” cometer estripulias gastronômicas após treinar.

Este é um dos problemas mais comuns e que acabam comprometendo e muito, o sucesso da estratégia.

Mas, segundo um estudo recente, isso é causado por uma razão: a pessoa não sente prazer e não gosta da prática escolhida.

Em um estudo publicado por Beer (2017), foram investigados o efeito do apoio à autonomia na escolha dos exercícios, relacionado com o gasto de energia correspondente no apetite e subsequente consumo de energia.

Para isso, foram selecionadas 58 mulheres. Para avaliar melhor o objetivo do estudo, estas mulheres foram divididas em 2 grupos:

1- Poderia escolher a atividade a ser praticada

2- Não poderia escolher

Além disso, as participantes também tiveram a ingestão de energia média, mensurada previamente. Percepções de humor, escolha e prazer também foram avaliadas.

O TEXTO CONTINUA APÓS ESSA PUBLICIDADE!

Como resultado, foi possível verificar que a ingestão de energia foi significativamente maior após o exercício realizado sob a condição de não escolha.

Além disso, a escolha por alimentos “não saudáveis”, foi significativamente maior no grupo que não poderia optar pela atividade física.

O estudo ainda é muito preliminar e precisa de aprofundamento. Porém, como já é possível visualizar na prática diária, pessoas que sentem prazer na atividade física escolhida, tendem a ter mais facilidade de manter a dieta e a alimentação saudável.

Então devo fazer apenas o que eu gosto?

Temos de ter alguns cuidados. Afinal, nem sempre o que se “gosta”, é o melhor. Há uma percepção psicológica de valor, de mudança, que deve ser levada em conta.

Por exemplo, uma pessoa que não goste de fazer musculação, mas tem restrições articulares e musculares e precise emagrecer, terá que optar pela prática que não lhe é tão prazerosa.

É preciso encontrar equilíbrio e ressignificar a relação com exercício físico. Isso sim, em médio e longo prazo, fará diferença em sua vida.

Sempre treine com orientação de um bom profissional.

Bons treinos!

Referências:
BEER, NJ. Providing Choice in Exercise Influences Food Intake at the Subsequent Meal.Med Sci Sports Exerc. 2017.

Sobre Sandro Lenzi

CREF: 22643-G/SC Profissional de educação física apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online. Quer ter um treino personalizado? clique aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *