Página Inicial » Treinos » O treinamento concorrente atrapalha seus ganhos em hipertrofia?

O treinamento concorrente atrapalha seus ganhos em hipertrofia?

A relação do treinamento concorrente com os ganhos em termos de hipertrofia vem sendo estudada há muito tempo pela ciência.

Aeróbico atrapalha os resultados de hipertrofia na musculação

Otimizar os resultados do treinamento é um dos principais desafios dos treinadores em geral. Neste sentido, o treinamento concorrente é sempre evitado. Isso porque, como sabemos, ele acaba trazendo perdas de rendimento e de resultados.

Dentro da musculação, temos como treinamento concorrente, na maior parte dos casos, os treinos de hipertrofia e aeróbicos de baixa intensidade.

Mas seus efeitos e a forma como um interfere no outro, é algo complexo de ser avaliado. Por isso, precisamos entender, antes de qualquer coisa, quais são os efeitos do treinamento concorrente e como eles podem afetar seu treino.

Treinamento concorrente, entendendo o conceito

O treinamento concorrente, conforme a explicação mais aceita, é aquele onde temos dois objetivos ou qualidades físicas antagônicas, sendo trabalhados na mesma sessão. No treinamento desportivo, temos isso em diferentes situações (treino físico seguido de treino técnico, por exemplo).

Mas o caso mais comum de treinamento concorrente é o de força, seguido do treino de resistência aeróbica.

Conforme Rosa (2013) afirma, ao analisarmos os aspectos fisiológicos, vemos que o treinamento de força traz diversas modificações, entre elas: aumento na quantidade e na qualidade da produção de força muscular, aumento dos estoques de ATP/CP, da  atividade das enzimas glicolíticas, adaptações no sistema nervoso e hipertrofia muscular.

Por sua vez, o treinamento aeróbio provoca o aumento da quantidade de mioglobina intramuscular, capacidade aeróbia e as enzimas de ordem oxidativa. Ou seja, todas as adaptações que estes treinamentos procuram, são antagônicas.

Isso faz com que, ao utilizarmos o treinamento concorrente, tenhamos algum destes treinos, prejudicado. De forma geral, ou os resultados da musculação, ou do treino aeróbico, serão prejudicados.

Mas isso não é mera suposição. Existe uma infinidade de estudos que comprovam isso!

Leia também: Treinamento Concorrente e Hipertrofia – Aeróbicos antes ou depois da musculação?

Estudos sobre o treinamento concorrente

McCarthy (2002) buscou analisar a ativação do sistema nervoso na produção de força e verificar se o treinamento aeróbio prejudicaria tais adaptações. Participaram do estudo 30 homens sedentários, divididos em 3 grupos:

– O grupo que realizou treinamento Concorrente (GFA);

– O que realizou treinamento de força (GF);

– O que realizou treinamento aeróbio (GA).

O período do estudo, bem como o treinamento, durou 10 semanas, com sessões 3 vezes por semana.

O grupo do treinamento concorrente, GFA realizava treinamento de força e aeróbio na mesma sessão.

Em seu estudo, foi possível observar ganhos semelhantes nos níveis de força para o grupo que treinou força, quando comparado com o grupo que fez o treinamento concorrente. Então o treinamento concorrente não atrapalha os ganhos?

Perceba o público do estudo: homens sedentários. Ou seja, com adaptações de força mais rápidas. Se formos comparar algo do gênero com grupos de atletas ou pessoas bem treinadas, veremos resultados diferentes.

Bell (2000) verificou os efeitos fisiológicos do treinamento concorrente nos ganhos de força e de resistência aeróbica. Participaram do estudo 45 pessoas que eram ativas de forma recreacional. Estes foram divididos em 4 grupos:

– Concorrente (GFA);

– Aeróbico (GA);

– Força (GF);

– Controle (GC);

O treinamento foi feito em 3 dias na semana, pelo período de 12 semanas.

Leia também: Corrida e musculação: é possível conseguir hipertrofia sendo corredor?

Os resultados mostraram que houve uma maior dificuldade no desenvolvimento de força para o grupo que realizou o treinamento concorrente. O grupo que realizou apenas treinamento de força, teve resultados muito melhores no aumento da força, quando comparado ao grupo do treinamento concorrente.

Da mesma maneira, o grupo que fez apenas treinamento aeróbico, teve um desenvolvimento da resistência aeróbia muito melhor.

Se formos pesquisar mais profundamente na literatura, veremos que existe uma infinidade de estudos sobre o treinamento concorrente. No geral, os que são feitos com iniciantes ou sedentários, não apresentam maiores diferenças. Porém, no ponto onde passam a ser avaliados pessoas com um nível mínimo de treinamento, vemos as diferenças serem aumentadas de forma intensa.

Mas então, como conciliar o treinamento aeróbico e o de força?

Treinamento concorrente, como conciliar diferentes atividades?

Este é um ponto fundamental!  O treinamento concorrente é sim prejudicial para seus ganhos. Porém, é evidente que a resistência aeróbica adequada, com o aumento do Vo2 máximo, é importante para a hipertrofia.

Desta maneira, precisamos conciliar estes dois tipos de treinamento, dentro de nossa periodização.

É importante entender que o treinamento concorrente tem mais relação com a intensidade, do que com a atividade em si. Na grande maioria dos estudos, vemos que são utilizados exercícios de baixa intensidade. Isso faz com que diferentes tipos de fibras musculares sejam recrutadas.

Desta forma, vemos que quando usamos o treinamento intervalado, como o HIIT, por exemplo, não temos estes efeitos negativos. Se necessário for, usar estes dois tipos de treino, precisamos optar sempre por intensidades próximas.

Porém, sempre que possível, o ideal é usar os treinamentos de ordem aeróbica, em sessões diferentes do que o treinamento de força. Isso não apenas fomentará um melhor desempenho e resultados, como evitará a interferência de ambos.

Dependendo de como a periodização for montada, podemos usar o treinamento de força em um período e o aeróbico em outro. Se isso não for possível, poderemos usar cada um destes treinos em dias alternados.

Leia também: Depois da musculação, aeróbico ou HIIT para o emagrecimento?

É lógico que aqui estamos falando especificamente da hipertrofia. Se o objetivo não for este, podemos usar de outras estratégias.

O que fica claro é que o treinamento concorrente, para quem busca a hipertrofia, deve ser evitado. Bons treinos!

Referências:
ROSA, R. P. Treinamento concorrente: uma revisão. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, 2011.
Mccarthy J. P. Neuromuscular adaptations to concurrent strength and endurance training. Med. Sci. Sports Exerc, 2002.
Bell G. J. Effects of concurrent strength and endurance training on skeletal muscle properties and hormone concentrations in human. Eur. J. Appl. Physiol. 2000.

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online. CREF: 22643-G/SC
  1. Veja se entendi certo: se eu praticar atividade aeróbica de baixa intensidade, ele interfere, nas se praticar com intensidade maior, HITT, ele eh benéfico?!

  2. Brother, vlae lembrar que só há concorrencia quando falamos de membro inferiores.
    Se numa mesma sessão de treino for realizado treino de força para membros superiores, o aeróbio pode entrar sem problemas, pois não há concorrencia das capacidades físicas para diferentes grupamentos musculares.

  3. Fernando Reis Bueno

    Não é bem o que os estudos atuais vem dizendo, muitos estudos erram na metodologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Send this to a friend