Página Inicial » Dietas e Nutrição » Entenda os rótulos dos alimentos

Saiba como interpretar os rótulos dos alimentos e escolher os alimentos mais saudáveis para sua dieta.

Entenda os rótulos dos alimentos

Ter as informações sobre os alimentos claramente expressas nos rótulos, de maneira padronizada, foi um dos grandes avanços do direito do consumidor. Desde muito tempo já havia um certo interesse, de uma boa parte do público, por entender o que estava ingerindo, mas, por outro lado, existia muita desinformação, ou informação desonesta e, em consequência disso, havia também outra parte do público sem ter interesse no assunto.

Rótulo dos alimentos com informações nutricionais

Hoje em dia as coisas mudaram e, acima de tudo, existe uma preocupação por parte das empresas do ramo alimentício em si. Agora, para vender bem o produto, é também necessário levar a informação ao consumidor. E entender os rótulos dos alimentos se tornou algo destinado a todos os consumidores, assim como as informações passaram a se tornar cada vez mais claras e objetivas, atendendo aos anseios da grande maioria.

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão que regula a rotulagem dos alimentos. Para isso, também estabelece quais as informações e como devem constar na tabelinha obrigatória dos produtos. Essa padronização segue uma tendência internacional, importante não só aos consumidores internos do país como também de outros lugares do mundo.

Contudo, mesmo que em torno de 70% da população brasileira se interesse por saber as informações dos alimentos através do rótulo, acredita-se que metade dela não compreende tudo que está escrito. O que é algo normal. Pois ninguém nasce sabendo essas coisas e, além do mais, também não é todo mundo que tem tempo para pesquisar cada item e significado escrito nas tabelas nutricionais. Porém, se você veio até aqui, quer dizer que pretende entender o que diz nos rótulos dos alimentos ou, senão, obter mais informações ainda.

Por isso, vamos passar a entender de uma maneira bem prática. Ou seja, pegaremos um rótulo de um alimento qualquer e o analisaremos por partes, explicando cada uma delas. O intuito é fazer com que você, ao chegar no fim deste texto, já consiga ler, entender e avaliar as informações nutricionais mostradas em todos os rótulos.

1 – Título de identificação (informação nutricional):

Nos rótulos dos alimentos, a tabela contendo a informação nutricional do produto deve estar bem clara e devidamente identificada logo no topo do cabeçalho.

2 – Porção:

Atenção para esta primeira informação antes de começar a ler o resto. Isto identifica em qual porção as quantidades e porcentagens mostradas abaixo estão presentes no alimento. E ela deve estar explícita de duas maneiras: a primeira é a medida técnica, ou seja, em l/ml ou g/mg; a outra se trata do que chamamos de “medida caseira”, isto é, aquela que podemos medir com instrumentos usados dia a dia na nossa cozinha. Na verdade a medida caseira, evidentemente não chega a ser uma medida exata, mas serve para dar uma noção à pessoa na hora da compra. Afinal de contas, são poucos aqueles que possuem uma noção tão técnica assim das medidas e todos precisam ser informados corretamente.

No nosso exemplo mesmo, temos 1½ xícara como equivalente a 25g. Em todo o caso, a pessoa deverá saber que cada valor lido abaixo representa apenas o que está em 1½ xícara desse alimento. Essa porção não é comum a todos os alimentos, costuma variar bastante entre um produto e outro, então sempre dê uma olhada.

3 – Quantidade por porção e %VD:

O TEXTO CONTINUA APÓS ESSA PUBLICIDADE!

Quando se fala em quantidade por porção, é evidente que falamos sobre a quantidade de tal elemento contido na parcela informada no cabeçalho acima. Porém, só essa informação não interessa, pois ela precisa estar em conjunto com a %VD. VD nada mais é do que a sigla de “Valor Diário” e no rótulo aparece para informar a porcentagem diária que tal quantidade de porção representa para a pessoa.

4 – Valor energético:

Antes de tudo, a tabela mostra o valor energético total do alimento. Vemos que no nosso exemplo esse valor é de 124 kcal (quilocaloria), ou 521 kJ (quilojoules). As medidas em joule ou caloria, ambas são universais e devem constar no rótulo, mesmo que os nossos cálculos sejam comumente feitos em cima das calorias. E logo ao lado, somos informados que essa quantidade equivale a 6% do valor diário. Ou seja, se você consumir 100g desse produto, terá ingerido 24% das calorias que precisa durante um dia inteiro.

A seguir vem os carboidratos, que logo após são divididos em tipos. No nosso exemplo temos um alimento com 0 (zero) g de açúcar e 1,9 g de proteínas. Ou seja, ele até vai dar energia, mas será pouco eficiente nesse abastecimento, já que a maior parte do seu valor energético está concentrada nas gorduras, como veremos a seguir.

Aqui vale prestar atenção para não confundir quilocaloria (kcal) com somente caloria (cal). Sim, não esqueça que uma quilocaloria equivale a mil calorias!

5 – Gorduras, fibra alimentar e sódio:

Esses três itens são realmente importantes para se separar e analisar um por um. Atente que as gorduras devem ser divididas e depois informadas as quantidades de cada. O rótulo que usamos aqui mostrou um número para as gorduras totais e logo abaixo para as saturadas e a trans. Para esta última, a Anvisa não estabelece valores diários, até mesmo porque o ideal é nenhum valor diário dela. Porém, olhe a quantidade de gordura saturada presente numa porção de 25 g apenas: 2,9 g, o que já representa, sozinha, 13% do valor diário necessário. Com 100 gramas desse alimento você já terá passado da metade.

Quando olhamos para a quantidade de fibra alimentar, percebemos uma forte desigualdade em comparação com as gorduras. Já o sódio está presente numa porção aceitável, mas se deve tomar muito cuidado pois o seu excesso pode acarretar diversos males à saúde, principalmente por causar retenção de líquidos e pressão alta. E não é só no sal que ele está presente. Quem usa adoçante de sacarina sódica mesmo, já ingere uma certa quantidade e por isso deve tomar cuidado redobrado com os outros alimentos.

6 – Informações extras no rodapé:

Fique com os olhos atentos para o rodapé e saiba o que aqueles asteriscos querem dizer. Bem, no %VD sempre existirá um “*” conduzindo a pessoa a entender que ali aparecem os valores diários com base em uma dieta de 2 mil kcal, ao mesmo tempo em que explica o significado da sigla. Já o “**” ou “***” ou mais, dependendo do produto, devem conter informações extras. No nosso caso, apenas serviu para salientar que o valor diário não foi estabelecido para tal item.

Quanto às 2 mil quilocalorias serem um padrão médio, podemos discutir. Mas, é claro, discutir somente em situações adversas. Afinal de contas, quem pratica exercícios físicos em grande intensidade e assiduidade, por exemplo, ou tem a vida muito ativa, pode acabar precisando de mais calorias do que a média diz ser necessário. Também existe o caso de se precisar de menos, caso alguém passe a maior parte do dia parada, por exemplo. Em todos essas situações adversas, é somente um bom nutricionista que poderá encaminhar a dieta certa para a pessoa, não esqueça!

Os outros Valores Diários:

Evidentemente, não são apenas as calorias que possuem uma média de valor diário pré estabelecida pela Anvisa. No entanto, dificilmente esses valores aparecerão nos rótulos e é também importante sabermos quais são. Então vamos ver cada um deles:

Valor energético: 2.000 kcal / 8.400 kJ;

Carboidratos: 300 g;

Proteínas: 75 g;

Gorduras totais: 55 g;

Gorduras saturadas: 22 g;

Fibra alimentar: 25g;

Sódio: 2400 mg (atenção: é miligramas e não gramas, heim!)

Agora você já pode começar a pegar os produtos e ler as informações nutricionais dos seus rótulos e avaliar item por item. Qualquer dúvida ou sugestão, não deixe de comentar logo abaixo!

Ah! E você se arrisca responder qual produto contém esse rótulo que analisamos?

Se respondeu que era de salgadinho, acertou em cheio. Só não podemos revelar a marca, nem qual é exatamente o salgadinho. Mas com isso já dá para ver que se trata de um produto capaz de dar pouca energia em comparação com o que oferece de gordura.

Fonte:
Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)

Sobre Bruno Vargas

Leia também

O que avaliar ao procurar um nutricionista esportivo?

O nutricionista esportivo é um profissional fundamental para que você tenha melhores resultados em seu …

Recuperação muscular, 10 dicas para otimizá-la e ter melhores resultados!

A recuperação muscular é fundamental para que a hipertrofia aconteça e você tenha os resultados …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!