Pesquisar

Candidíase – O que é, tipos, sintomas, tratamentos e remédios

Candidiase
Candidíase oral

O que você sabe sobre candidíase? Provavelmente já ouviu falar que é uma doença íntima que pode atingir o publico feminina, certo? Isso não está totalmente errado. Contudo, a candidíase é uma condição muito mais complexa do que isso e envolve vários outros aspectos.

Neste texto, falaremos tudo o que você precisa saber sobre a candidíase, desde suas características, seus tipos, seus sintomas, suas causas e muitas outras informações importantes. Não deixe de ler até o fim!

O que é candidíase?

A candidíase é um tipo de infecção gerada por um fungo chamado de Candida (mais especificamente costuma ser o Candida albicans).

É verdade que ela é mais conhecida por atingir os órgãos genitais das mulheres, contudo, pode ocorrer em várias outras partes do corpo, por exemplo: órgãos sexuais masculinos, boca, pele, corrente sanguínea, garganta e unhas.

Também é verdade que as estatísticas apontam uma quantidade maior de casos em mulheres. No entanto, os homens também estão vulneráveis a esse fungo.

Leia também:

Herpes – Principais causas, sintomas e tratamentos

Quais são os tipos de candidíase?

Como mencionamos, existem diversos tipos de candidíase que podem aparecer nas mais inesperadas áreas do corpo humano. Vamos conhecer mais sobre eles:

Candidíase vaginal

Esta, com certeza, é a forma mais comum da doença. Ela costuma atingir mulheres que estejam com distúrbios no sistema imunológico (falta de resistência ou fraqueza das células defensoras).

Isso porque o fungo já está dentro do organismo. Então, pela baixa resistência ou desequilíbrio, ele acaba conseguindo se reproduzir em maiores quantidades e afetar a área vulnerável.

Candidíase peniana

Este tipo de candidíase também pode ser chamado de balanopostite. Apesar de não ser tão comum quanto a anterior, precisa de atenção porque pode gerar sérias complicações no pênis.

Homens diabéticos e sem muita higiene local estão ainda mais vulneráveis a contraírem o fungo.

Candidíase da pele

Também conhecido como intertrigo, este tipo de candidíase pode simplesmente aparecer de hora para a outra.

Todavia, ele é mais comum quando existe algum atrito com a pele, o que pode gerar lesões.

Essas lesões podem ficar expostas a serem infectadas por agentes externos (não apenas fungos, mas também bactérias) devido clima, ao tipo de alimentação, etc.

O TEXTO CONTINUA APÓS ESSA PUBLICIDADE!

A candidíase da pele costuma acontecer nos seguintes locais:

  • dobrinhas da barriga,
  • axilas,
  • nádegas,
  • parte interior das coxas,
  • embaixo das mamas,
  • virilha,
  • pescoço,
  • entre os dedos dos pés e os das mãos.

Candidíase de esôfago

Este tipo também é chamado de esofagite e é uma infecção difícil de ocorrer neste órgão.

Contudo, é possível que aconteça, especialmente, se a pessoa já possui alguma doença que deixa o seu organismo desprotegido, como câncer ou AIDS.

É mais raro em jovens e crianças, afetando normalmente mais pessoas de idade avançada.

Candidíase invasiva

Este tipo também é conhecido como candidíase disseminada. Apesar da baixa resistência imunológica ser um fator comum em praticamente todos os casos de candidíase, aqui ele é o fator principal.

Bebês recém-nascidos prematuros ou pesando pouco e pessoas com problemas imunológicos graves ou outras infecções costumam ser as maiores vítimas da candidíase invasiva, que ocorre mais em hospitais.

Neste tipo, o fungo Candida afeta a corrente sanguínea e por isso tem facilidade para atingir diversos outros órgãos, como os rins, o coração, o baço e até o cérebro.

Dele podem ser geradas complicações bem perigosas, podendo evoluir para uma candidemia (condição epidêmica da candidíase que pode ser fatal).

Candidíase oral

Esta forma de candidíase pode atingir um número maior de seres humanos, desde crianças até idosos. Ela tem como característica aftas, dores na garganta e problemas na hora de engolir.

Quais são as causas da candidíase?

A doença é causada pelos fungos da Candida, especialmente pela Candida albicans (apesar de haverem pelo menos 20 espécies diferentes e infecciosas desse fungo).

Esses tipos de fungo costumam ser encontrados dentro do organismo do ser humano, principalmente nas membranas mucosas, na pele e no trato intestinal.

No entanto, elas usualmente não geram (ou não deveriam gerar) efeitos negativos.

O problema acontece quando tais fungos começam a se reproduzir descontroladamente. Isso ocorre por culpa de alguns dos fatores que citaremos a seguir. Dê uma olhada:

  • Estresse crônico

O estresse pode ser um fator prejudicial porque ele libera altos níveis de cortisona e eleva as taxas de açúcar na corrente sanguínea.

Cortisona é um hormônio que pode gerar efeitos problemáticos no organismo, como baixar a resistência imunológica e liberar espaço para o fungo se espalhar.

Já as taxas de açúcar servem como fonte de alimento para eles, que acabam tendo mais força para se proliferar.

  • Tratamento com antibióticos

Apesar de serem utilizados para eliminar as bactérias prejudiciais ao organismo, os antibióticos também podem acabar destruindo bactérias benéficas ao nosso corpo, o que gera um grande desajuste.

Os fungos que causam a candidíase ficam livres para se espalharem porque as bactérias que deveriam detê-los não estão mais presentes onde estariam.

  • Relações íntimas

Existe a possibilidade da candidíase ser transmitida de forma parecida com uma DST (doença sexualmente transmissível), apesar de isso não ser tão comum quanto os outros casos citados.

Quando uma mulher com candidíase transmite a doença para o parceiro através da relação sexual, ele pode não notar por algum tempo, já que essa infecção nos homens quase sempre não apresenta sintomas.

Isso faz com que ele repasse a doença para outras mulheres ou até mesmo para sua parceira fixa depois de ela já ter sido curada.

Este tipo de transmissão ocorre porque durante o ato sexual existe uma grande troca de fluidos corporais e atrito entre peles, o que facilita muito que os fungos passem de um hospedeiro para o outro.

Por isso, em um relacionamento no qual uma das partes foi diagnosticada com candidíase, é essencial que a outra parte faça exames e realize o tratamento, mesmo que aparentemente não tenha sofrido mudanças em sua saúde.

  • Diabetes

Como já explicamos, altos níveis de açúcar no sangue podem servir como fonte nutritiva para os fungos presentes no corpo, o que funciona como um combustível e eleva o risco de sua proliferação.

  • Problemas hormonais

O desequilíbrio de hormônios no organismo pode resultar em uma falta de equilíbrio geral do corpo, especialmente do sistema digestivo (particularmente do intestino).

Tudo isso faz com que as possibilidades de proliferação dos fungos responsáveis pela candidíase aumentem bastante.

Quais são os sintomas da candidíase?

candidíase feminina

Como existem diversos tipos de candidíase, iremos separar os sintomas por tipo para facilitar a identificação. Confira abaixo:

Sintomas da candidíase vaginal

  • Corrimento em tons de branco e um pouco sólido;
  • Vermelhidão e irritação na área vaginal;
  • Coceira próximo à vagina;
  • Dor durante o ato sexual;
  • Incômodo constante na área vaginal.

Sintomas da candidíase peniana

  • Excreção em tons de branco e um pouco sólido;
  • Ardência na hora de urinar;
  • Dor durante o ato sexual;
  • Inchaço na ponta do pênis;
  • Coceira ou ardência na área peniana;
  • Odor intenso;
  • Lesões na pele do pênis.

Sintomas da candidíase de pele

  • Escurecimento da pele e formação de desgastes e relevos;
  • Áreas vermelhas e irritadas;
  • Secreção de líquidos nas regiões lesionadas;
  • Ardência e coceira nas peles das juntas;
  • Descamação.

Sintomas da candidíase do esôfago

  • Falta de apetite;
  • Vômito e náuseas;
  • Dores no abdômen;
  • Dor na hora de engolir;
  • Dor na área torácica.
  • Sintomas da candidíase invasiva
  • Inflamação nas articulações;
  • Febre alta;
  • Vômitos;
  • Dor de cabeça;
  • Urina escura.

Sintomas da candidíase oral

  • Rachaduras nos cantos dos lábios;
  • Marcas brancas na parte interna da boca e na língua;
  • Dificuldade na hora de engolir;
  • Ardência e irritação na boca;
  • Dores na boca;
  • Aspecto avermelhado e inflamado.

Quais são os tratamentos para a candidíase?

Normalmente o tratamento da candidíase é feito a partir de pomadas antifúngicas, comprimidos específicos ou remédios antimicóticos, os quais você utiliza sobre o local afetado.

No entanto, existem algumas questões específicas sobre o tratamento que precisam ser mais detalhadas. Dê uma olhada a seguir:

Tratamento contra candidíase frequente

Algumas pessoas estão sempre sofrendo com a candidíase, provavelmente porque fazem parte de algum grupo de risco (diabéticos, soropositivos, etc.).

Para saberem como tratar o problema de forma permanente, é necessário consultar um médico especialista.

É bom saber qual foi a espécie do fungo Candida que causou a infecção recorrente, porque, em alguns casos, o medicamento não consegue eliminar todos os tipos do fungo que existem e então ele continua a fazer mal.

Se a candidíase vaginal for frequente, o médico pode receitar remédios por via oral para que o fungo seja tratado de vez. Em algumas situações, uma alteração na dieta alimentar também é recomendada.

Tratamento contra candidíase na gravidez

Os medicamentos que agem contra os fungos de forma oral geralmente são proibidos às mulheres grávidas. O mais indicado é que elas utilizem as pomadas para passar na região afetada.

Infelizmente não são raros os casos de candidíase na gravidez, pois a eficiência do tratamento pode não ser tão grande devido às limitações químicas. Em todo caso, procure seu médico e peça orientações.

Tratamento contra a candidíase invasiva

Por ser o caso mais grave de candidíase, seu tratamento costuma ser realizado no próprio hospital. Os medicamentos são alterados e os médicos passam a aplicar remédios mais potentes, seja pela via intravenosa ou oral.

Quais são os remédios usados para tratar a candidíase?

candidiase remedios

Leia também:

Candida Defense: Para ajudar no combate a candidíase!

Os medicamentos mais recomendados para o tratamento geral da candidíase são os seguintes:

  • Clocef;
  • Flogo rosa;
  • Clindamin-C;
  • Nistatina (solução ou creme);
  • Daktarin;
  • Canditrat;
  • Gino-Canesten;
  • Fentizol;
  • Clotrimazol;
  • Nitrato de miconazol (creme vaginal);
  • Fluconazol;
  • Colpistatin;
  • Gynazole-1;
  • Icaden;
  • Colpatrin;
  • Itraconazol.

Lembre-se de que apenas um médico pode orientar e receitar o medicamento ideal para o seu caso.

A automedicação nunca é recomendada, mesmo se os remédios forem liberados sem receita.

Existem tratamentos caseiros para a candidíase?

Sim, eles são mais utilizados para ajudar a aliviar os sintomas, como um complemento aos medicamentos receitados pelo médico.

Portanto, nunca se esqueça de ir ao profissional e confirmar se o tratamento caseiro é benéfico ao seu caso.

Conheça a seguir alguns dos tratamentos caseiros mais populares que ajudam a reduzir os desconfortos da candidíase e aprenda como prepará-los:

1 – Remédio caseiro para candidíase vaginal

Utilizar iogurte natural na vagina pode ajudar a tratar a infecção.

Isso porque o iogurte reduz a acidez vaginal e interrompe o desenvolvimento dos fungos que se proliferam melhor em áreas ácidas.

Ingredientes:

  • 125 g de iogurte natural.
  • 1 absorvente interno ou 1 seringa sem a agulha.

Modo de preparo/uso:

Coloque o iogurte na seringa e o injete diretamente na vagina (sem utilizar a agulha).

Faça isso duas vezes ao dia por um período de três dias.

Use um absorvente normal para prevenir a umidade na calcinha.

Se preferir outro jeito, você também pode inserir um absorvente interno na caixinha do iogurte e depois utilizá-lo normalmente.

Deixe que fique em você por cerca de 3 horas.

2 – Remédio caseiro para candidíase peniana

Existe um chá muito bom para tratar a candidíase masculina: o chá de uva-ursina, que ajuda a reduzir a multiplicação dos fungos responsáveis pela infecção.

Pode ser usado também por mulheres.

Ingredientes:

  • 2 e ½ colheres de chá de folhas da uva-ursina.
  • 1 xícara de água fervida.

Modo de preparo:

Coloque as folhas em um recipiente e adicione a água. Deixe que fique trabalhando por cerca de 5 minutos.

Depois, coe o líquido e pode beber.

O indicado é tomar o chá cerca de três vezes ao dia.

3 – Remédio caseiro para candidíase oral

O chá de poejo (hortelãzinho) é excelente para aliviar os sintomas da candidíase na boca porque é capaz de reduzir a propagação dos fungos.

Ingredientes:

  • 1 xícara de água fervida
  • 1 colher de folhas de poejo (hortelãzinho)

Modo de preparo:

Pique bem as folhas de poejo, coloque em um recipiente e adicione a água bem quente.

Após 15 minutos, coe o líquido.

Depois disso, pegue um pedaço de algodão, insira no chá e em seguida passe pela boca.

Faça isso até quatro vezes por dia.

Viu como a candidíase é um problema mais complexo do que aparenta ser? Se sentir algum dos sintomas descritos, não se esqueça de procurar um médico para receber as devidas orientações!

Já fez alguma das receitas de remédios caseiros? Deixe seu relato contando como foram os resultados!

Candidíase – O que é, tipos, sintomas, tratamentos e remédios
5 (100%) 1 vote

Artigo atualizado em

Sobre Equipe Treino Mestre

Artigos assinados pelo Treino Mestre são escritos pela nossa equipe de profissionais de Educação Física, Nutricionistas, Fisioterapeutas, Atletas e demais colaboradores ligados a saúde e ao esporte. Conheça a equipe principal do Treino Mestre clicando aqui.

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever-se  
Notificação de