Página Inicial » Treinos » Análise eletromiográfica do Pullover

Análise eletromiográfica do Pullover

Através da análise eletromiográfica do exercício pull-over, poderemos entender de fato quais grupos musculares são ativados para hipertrofia.

As análises eletromiográficas são meios que a ciência tem para conseguir definir com real exatidão qual é a musculatura que esta seno ativada durante determinado exercício e principalmente, qual o potencia de ação este exercício esta causando em determinado exercício. Entre os exercícios de musculação, com certeza o pullover é um dos que mais gera dúvidas e questionamentos sobre a musculatura que esta de fato sendo ativada. Isso se deve aos constantes questionamentos sobre a musculatura ativada, se ele é mais eficiente para costas ou peito.

Análise eletromiográfica do Pull overEstudos eletromiográficos de pullover

Como nós aqui do treino mestre sempre pautamos nossos conteúdos pela ciência, nada melhor do que analisarmos este exercício através de estudos científicos. Em um estudo de Furtado e colaboradores (2012) analisaram as variáveis de eletromiografia que envolvem o pullover e o supino horizontal sob os respectivos músculos do peitoral maior, em sua parte esternal e Clavicular. O estudo levou em consideração a avaliação feita em 16 indivíduos. Como resultado, o estudo encontrou diferenças significativas nestas duas porções do peitoral maior em ambos os exercícios. No caso do supino horizontal, ele se mostrou muito mais eficiente, com ativação que passou dos 60% em ambas as porções do músculo. Já o pullover se mostrou bastante ineficaz para trabalhar a musculatura do peitoral em todas as suas porções.

Em um outro estudo, que foi conduzido por Do Carmo e colaboradores (2010) onde foram analisadas as diferenças entre as contrações concêntricas e excêntricas e sua ação sobre os músculos dorsais, como o grande dorsal e o serrátil anterior. O estudo verificou que tanto para as contrações concêntricas, que são executadas no momento em que se sobe o halter ou a barra, como a excêntrica, quando a resistência é vencida pelo peso, a atuação é muito grande nos músculos das costas. Este estudo encontrou uma ativação de cerca de 62% no músculo grande dorsal e de 66% no latíssimo do dorso.

Arnold Schwarzenegger pulloverPull-over, aplicação prática

Todos estes dados devem ser analisados e aplicados na prática. Apenas analisando estes dois estudos, podemos chegar a uma conclusão que já acaba com grande parte das dúvidas, a de que o pullover tem maior ação sobre os músculos do peitoral. Como o primeiro estudo demonstrou, ele tem um trabalho apenas estabilizador sobre os músculos peitorais, o que acaba não se convertendo em hipertrofia. Muito provavelmente esta confusão se de pelo movimento de “empurrar” que é muito característico dos exercícios focados nos músculos peitorais, como o supino por exemplo.

Da mesma forma, segundo estudo demonstra uma ativação suficiente para se gerar hipertrofia, quando analisamos o mesmo exercício focado em músculos do dorso. Desta maneira, ao contrário do que muito se fala, está provado cientificamente que a ação muscular do pullover é sobre os músculos do dorsal. Isto por que a rotação do ombro, e a leve abdução do braço, precisam de uma alavanca que é feita pelos músculos dorsais.

Leia também:
Diferenças eletromiográficas entre o supino reto e o crucifixo na máquina
Análise eletromiográfica do Stiff
Análise eletromiográfica do agachamento

Ainda assim, muitas pessoas ainda insistem em dizer que o seu foco maior é sobre os músculos peitorais. Estes afirmam que tal exercício “pega” (termo totalmente empírico este, sem comprovação alguma de efetividade) os músculos do peitoral. Nestes casos, temos de analisar a questão da consciência corporal destas pessoas, mas principalmente a sua execução, pois um padrão alterado de movimento vai causar um descompasso no exercício, que pode ser compensado pela musculatura do peitoral. Mas isto, de maneira alguma quer dizer que ele cause hipertrofia nesta musculatura, sem mencionar o fato de que esta compensação pode vir a causar lesões se repetida durante um longo período.

Assim fica claro que o exercício de pullover bem executado tem seu foco e ação sobre a musculatura das costas e não sobre os peitorais. Bons treinos!

O TEXTO CONTINUA APÓS ESSA PUBLICIDADE!

Referências:
DO CARMO J. C.1; CAMPOS, Y. A.C.1; BOTELHO, R. A. E.1; SILVA, G. P.1; GUIMARAES, M. P.1; FERREIRA FURTADO, E. T.1,2; SANTOS, T. P. 1; SILVA, A.C.1,3; DA SILVA, S. F.1. COMPARAÇÃO DA ATIVIDADE ELETROMIOGRÁFICA ENTRE AS CONTRAÇÕES CONCÊNTRICAS E EXCÊNTRICAS NO EXERCÍCIO DE PULL-OVER LIVRE. Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras – MG – Brasil. 2010.

FURTADO, E.T.F., et.al. Comparação da Ativação Eletromiográfica do Músculo Peitoral Maior Parte Esternal e Clavicular Entre o Exercício de Pull-over e Supino Horizotal XIV congresso de educação física e ciências do desporto dos países da língua portuguesa. 2012.

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.
CREF: 22643-G/SC

Leia também

Qual a diferença entre a cadeira flexora e a mesa flexora? Qual a melhor?

Cadeira flexora e mesa flexora são a mesma coisa? Não, são aparelhos diferentes, com o …

Treino de costas, bíceps e antebraços, dicas práticas

A divisão do treino de costas, bíceps e antebraços é muito interessante para iniciantes, pois …

  1. Sempre achei esse exercicio fraco tanto para as costas como para o peitoral

  2. Depende de como é executado, se o movimento for até a metade, não estabilizando o peso com a o latíssimo do dorso, é somente peitoral. Isso vale para os “batedores de peso” no crucifixo, fly e etc …

  3. Quando comecei a fazer musculação, sempre fazia o Pullover no final do treino de peitoral e nunca sentia nada nos músculos do peito, agora vou passar a fazer ele no de costas.
    Parabéns pelo blog.

  4. Cada dia que passa, vcs surpreendem os seguidores do site…
    Parabéns !!!!

  5. Desculpe contestar, mas o estudo não é conclusivo nesse sentido. Se lermos bem a discussão e análise de resultados, bem como as conclusões percebe-se que o pullover continua a ser um exercício difícil de direcionar para a musculatura mais trabalhada. O estudo refere uma atividade EMG de 33,74 para o PM e de 35,78 para o GD. Assim não entendo onde leu que passou os 60% de ativação para o GD! Ele deve ser entendido como um bom exercício geral para trabalhar toda a musculatura do tronco (parte anterior e posterior). Deixo ficar o link do estudo completo realizado para que não há interrogações de fonte. Cumprimentos e bom trabalho.

    http://busca.unisul.br/pdf/103050_Joao.pdf

  6. Olá Paulo!

    Concordo com sua colocação, mas você sabe que os estudos apresentam variáveis. Não usei este estudo do link como referência. O que se sabe é que o Pullover pode ser para ambos os grupos musculares e dependendo da ênfase que se dá, ele se torna mais ativo para um ou outro grupamento muscular, porém é quase que unanimidade que ele é mais efetivo para o treino de costas. Mesmo assim, muito obrigado pelo comentário, ele engrandece a busca pela maior cientificidade na educação física!

    Abraços!

  7. Acabei de ver o Jay Cutler neste video https://www.youtube.com/watch?v=zf5GJrwYGc8 ….fazendo o pullover para finalizar o treino de peito.

  8. Arnold Schwarzenegger não concorda com isso. Haha

  9. Se for feita uma variação com uma pegada mais aberta, com uma barra por exemplo, vai recrutar muito mais o latíssimo do dorso que o peitoral.
    Para treino de peitoral, acho o pullover um exercício muito limitado à medida que há outros muito mais eficientes.

  10. Eu vejo os caras pegarem uma carga muito maior do que eu pego no supino, aí quando vão fazer pullover colocam uma carga RIDÍCULA, e depois reclamam que não sentem nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!