Página Inicial » Treinos » Alongar depois do treino reduz a dor muscular?

Alongar depois do treino reduz a dor muscular?

Uma prática comum, alongar depois do treino de musculação, muitas vezes pode não ser eficiente e segura.

alongar depois do treino

Não adianta, o mundo da musculação ainda é repleto de achismos e invencionismos. Muita coisa usada e tida como certa, não passa de conhecimento empírico passado de geração em geração. Desta maneira, muitas coisas que são feitas ainda hoje se perpetuam porque “deram certo” para alguém. A prática do alongamento após o treino, com o objetivo de reduzir a dor muscular, é uma delas.

De uma maneira geral o treino de musculação se caracteriza por causar microlesões musculares, o que pode causar o que chamamos de dor tardia. Desta forma, muitas pessoas lançam mão de alongamentos após seu treino, com o objetivo de reduzir tais dores.

Mas será que o alongamento após o treino é de fato efetivo?

Alongar depois do treino? Eu não sei se faria isso!

Antes de falar das questões relacionadas a dor muscular depois do treino, quero falar da questão das lesões. Neste artigo (Alongar antes da musculação ou não?) já mostrei que o alongamento feito na hora errada pode ser lesivo. Após um treino de musculação, seus fusos musculares, estruturas que cuidam da extensibilidade muscular, estão altamente fadigados.

Desta forma, dependendo da intensidade do treinamento e principalmente, da maneira como a pessoa alonga após o treino, é possível ter até lesões.

Além disso, não existem evidências suficientes para nos garantir que o alongamento após o exercício cause diminuição da dor muscular. Para mostrar isso, um estudo de Herbert (2002) analisou inúmeros trabalhos anteriores na busca por respostas em termos da efetividade do alongamento sobre a aparição de dores musculares após o treino.

Ao todo, os artigos revisados somaram um total de 77 indivíduos avaliados, de variados níveis de condicionamento físico. Os efeitos do alongamento realizado depois do treino, sobre a redução dor muscular tardia foram mínimos. Dessa forma, a partir dessa revisão não é possível considerar que o alongamento seja de fato uma estratégia eficiente e inteligente para a redução da dor muscular tardia.

Mas então, o que devemos fazer?

O TEXTO CONTINUA APÓS ESSA PUBLICIDADE!

De uma maneira geral, o alongamento é uma modalidade de exercícios muito interessante para os objetivos ao qual se propõe. A suposta redução da dor muscular não é uma destas atribuições!

Isso porque o efeito que o alongamento causa, de relaxamento, muitas vezes não é o suficiente para que possamos indicar sua prática para a redução da dor muscular tardia.

Pare para pensar. Se o seu músculo foi exigido durante o treinamento e as microlesões teciduais adaptativas ocorreram, não será “esticando” ele que irá resolver. Este é um processo bastante complexo.

O alongamento como exercício de flexibilidade é uma prática que deve ser usada com constância, afinal, grande parte das pessoas apresentam problemas de flexibilidade que comprometem sua funcionalidade.

Mas então, como reduzir a dor muscular depois do treino?

Alongar não ajuda a reduzir a dor muscular tardia, o que fazer então?

O primeiro passo é tentar entender se esta dor é realmente muscular e se sua causa são as microlesões, ou se o seu problema é mais grave. Muitas vezes, as pessoas usam cargas e execuções inadequadas, com o intuito de “potencializar” os resultados e acabam sentindo dores, que julgam ser oriundas da musculação.

Se o seu treino for mal planejado ou prescrito, de nada irá adiantar alongar depois dele. A dor irá aparecer e você terá seu rendimento e funcionalidade comprometidos.

Outra questão é a relação de intensidade de seu treino. Muitas vezes, um treino para dar resultados não precisa ser extenuante. O controle inadequado da intensidade é um fator fundamental para a musculação, pois ajuda a prevenir lesões e manter os resultados.

Desta maneira, se o seu treino foi intenso, não há necessidade de alongar depois dele. Use este tempo para descansar ou alongar músculos que não foram trabalhados, a fim de melhorar sua flexibilidade.  Lembre-se que quando falamos em treinamento físico, a especificidade é um fator fundamental! Bons treinos!

Referências:
HERBERT, R.  Effects of stretching before exercising on muscle soreness and risk of injury: systematic review. Bmj. 2002.

Sobre Sandro Lenzi

Educador físico apaixonado pelo desenvolvimento humano. Atuo como produtor de conteúdo, personal trainer e com consultoria online.
CREF: 22643-G/SC

Leia também

Treino de pernas e ombros para iniciantes, dicas práticas

A divisão de treino de pernas e ombros para iniciantes é uma alternativa bastante interessante …

Treino de peito e tríceps para iniciantes, dicas importantes!

O treino de peito e tríceps para iniciantes tem determinadas particularidades, que precisam ser levadas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curta-nos no Facebook!